Lelo diz que reforma da Previdência será votada em maio

Lelo diz que reforma da Previdência será votada em maio

Compartilhe essa notícia:

Após participar da reunião com o presidente Michel Temer (PMDB), ministros, líderes partidários e membros da comissão especial da Reforma da Previdência, o deputado federal Lelo Coimbra (PMDB) informou que o encontro de hoje foi para apresentar os cinco pontos que serão flexibilizados na proposta original. Destacou também que a base garantiu empenho para aprovar a reforma da Previdência, que deve ser votada em maio na Câmara.

“Todos os líderes concordaram que as mudanças atendem às reivindicações da sociedade e da base governista. As modificações foram feitas para aprimorar a proposta original. As lideranças vão fazer o esclarecimento junto às suas bases, para sanar dúvidas e fortalecer a construção do ambiente de votos para aprovar a reforma, que é urgente e necessária para que o Brasil garanta a sustentabilidade da Previdência e retome o rumo do desenvolvimento, gerando emprego e renda”, destacou Lelo, que é o líder da maioria na Câmara.

Na semana passada, atendendo aos pedidos dos líderes partidários, o governo anunciou as flexibilizações nas propostas para aposentadoria rural, aposentadorias especiais de professores e policiais, Benefício de Prestação Continuada (BPC), pensões e regra de transição.

De acordo com Lelo, os detalhes sobre essas alterações estarão no relatório do deputado Artur Maia (PPS-BA), que deve ser apresentado na comissão especial no próximo dia 18. A expectativa é de que o texto seja votado até o dia 27 de abril.

Para passar na Câmara, são necessários os votos de, no mínimo, 308 dos 513 deputados, nos dois turnos de votação, pois se trata de emenda constitucional, que requer voto qualificado. A base governista, segundo Lelo, tem 411 parlamentares na Casa. “Estou confiante de que teremos mais do que os 308 votos necessários. Vamos alcançar um número muito superior”, disse o líder da maioria.

A proposta também será debatida e votada no Senado, em dois turnos.

Colapso

“O atual modelo da Previdência está em colapso. A reforma é necessária, pois vivemos muito mais e melhor desde o nascimento e, após aposentarmos, também temos maior tempo de vida que antes, e as contribuições para a Previdência não dão conta de pagar as aposentadorias e pensões. Isso se agravou ainda mais devido ao rombo deixado pelos governos anteriores. A conta não fecha. Pelo modelo atual, a contribuição é menor que os benefícios pagos”, ressaltou Lelo.  

Segundo o Ministério do Planejamento, o buraco das contas da previdência da União e dos Estados atingiu R$ 316,5 bilhões em 2016, um crescimento de 44,4% em relação a 2015. “Por isso a reforma, para garantir que as aposentadorias e pensões continuem sendo pagas e deem segurança aos que se aposentam. Essa reforma não diminui o buraco da Previdência, mas impede que ele continue a crescer. A reforma tem que ser debatida e analisada com responsabilidade, buscando o melhor para o nosso povo e para o Brasil”, finalizou.


Foto: Divulgação/ PR

Compartilhe essa notícia: